quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Um banquete de alegria (para a Rede Blog)


Não conheço os botequins da cidade!

Foi uma defecção de minha formação?

Não saberia responder.

Estudei o meu ensino médio no Liceu e meu grupo especial de amigos, reunia-se em nossas casas para tocar violão, devanear em projetos a curto e longo prazo, sonhar com um mundo melhor e sorrir muito, sempre regados a café com leite e bolo de milho, pois o grupo só tinha careta.

Fui estudar Medicina na UFRJ e lá me juntei à minha tribo, todos caretas. Fiquei 9 anos no Rio de Janeiro e posso contar nos dedos as vezes em que bebi. Não estou com isso assumindo qualquer crítica ou considerando-me superior a ninguém, apenas relatando um fato.

Fui de esquerda durante meu período estudantil, pertenci a um agrupamento que reunia-se em lugares sempre diferentes e era ligado ao velho Partido Comunista Brasileiro. Fui receber Prestes no Galeão e tive várias palestras "privativas" com ele, com Anita Leocádia, com outros companheiros que chegavam do exterior a partir de 1979.

Nestes grupos, sempre havia cerveja e erva para quem quisesse. Mas havia os caretas também. Tínhamos trabalhos comunitários nas comunidades da Ilha do Governador e ali também podíamos estar com todos os tipos de "tribos" que conviviam harmoniosamente.

Quando retornei a Campos na década de 80, logo casei-me e tornei-me pai. Óbvio que a caretice aumentou cada vez mais.

Hoje tenho 50 anos, 6 filhos , uma neta e muito trabalho. Continuo estudando, fazendo uma formação em Psiquiatria no Rio de Janeiro e trabalhando normalmente em Campos.

Porém, meu banquete de alegria é ir aos domingos à Escola Jesus Cristo. Ali eu bebo uma água viva e não sei viver sem beber daquela fonte.

Portanto, não sei qual é o melhor bar da cidade, mas não posso me furtar a afirmar que o meu ponto de referência de alegria é a Escola Jesus Cristo.

Um comentário:

Centro de Artes Kapitar disse...

Oi, Flávio!

Passei pra uma lida básica.
Eu fico com ambas opções de "beber alegria". E, às vezes, nem bebo, mas gosto do "clima" de boteco. De me encontrar com amigos que, dificilmente, encontraria num ambiente religioso. Ou mesmo com estes, mas em outro tipo de conversa, astral. Dos quais também sinto falta.

Mas é isso. Bom fim de semana pra você!

bjk